Sucre: capital da Bolívia

Eu não sabia disso antes de começar a pesquisar para a viagem, mas a capital da Bolívia não é e nunca foi La Paz. A capital é Sucre, uma cidade de aproximadamente 250 mil habitantes, no meio do caminho entre Santa Cruz e Potosí, a 2.750 m de altitude. A cidade foi batizada em homenagem a Antonio José de Sucre, herói da independência e segundo presidente da Bolívia, logo depois de Simón Bolívar.

O fato é que a sede dos poderes Executivo e Legislativo foi posteriormente transferida para La Paz, deixando aqui apenas a sede do Judiciário. Mas apesar da mudança do centro político, oficialmente a capital continua sendo Sucre.

A cidade não estava no meu roteiro originalmente, mas me interessei depois de ler que ela é considerada a mais bonita da Bolívia e que recebeu o título de Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco. Além do mais, eu estava indo de Santa Cruz, a menos de 500 m de altitude, para Potosí, a mais de 4.000 m, e queria fazer uma parada intermediária para me aclimatar aos poucos. Foi a melhor decisão possível.

Sucre é realmente lindíssima! A cidade tem um centro histórico cheio de prédios bem conservados e uma praça deliciosa no centro. As ruas são limpas e o trânsito muito mais organizado que em Santa Cruz. Apesar da aparência de cidade do interior, o lugar é movimentado e as ruas ficam cheias de jovens o dia todo . É também um centro universitário do país.

Típica rua do centro histórico de Sucre

Casa de la Libertad, onde foi proclamada a independência da Bolívia

Plaza 25 de Mayo, a principal da cidade

Sucre em meio às montanhas

Ruas limpas e prédios conservados

Mais de Sucre

Por aqui comi mondongo, prato típico da região segundo recomendação de um taxista. Ele me indicou o Rolos, um restaurante afastado do centro turístico, onde só encontrei famílias de bolivianos almoçando. Ponto pra mim. O mondongo leva carne de porco cozida num molho picante, batatas, creme de milho branco gigante e pele de porco. A pele aqui se chama cuchicara. Do quéchua, cuchi significa chancho, ou porco, e cara significa pele.

Mondongo, o prato típico de Sucre

A carne estava deliciosa, se você curte uma pimenta como eu. As batatas também. Já a pele não é muito minha praia, mas estava boa. Se você é do tipo que briga por pele de galinha, provavelmente ia gostar. Agora, o milho branco definitivamente não me apetece. Tinha aquele mesmo gosto de fubá da chicha, só que desta vez salgado e engrossado. Só pra constar, eu adoro bolo e mingau de fubá, mas o sabor a que me refiro aqui é do fubá mais cru, mais farinhento, difícil de explicar.

Pra acompanhar, pedi uma Sureña. Me parece que toda cidade aqui faz sua própria cerveja. Não gostei. Pior que a Cruceña e que a maioria das cervejas brasileiras. Total da conta: Bs. 40.

Sureña. Nota 2.

Pra fechar o post, não posso deixar de comentar que dormi no melhor hostel que já conheci até hoje: Wasi Masi. As camas eram sensacionais, com colchões que pareciam futon e roupa de cama limpa e cheirosa. A estrutura das beliches era de uma madeira forte, que não balançava nem rangia quando a pessoa de cima subia. Além disso havia um abajur individual por cama e os armários eram gigantescos e limpos. O banheiro, um brilho, e o café da manhã bem gostosinho. Nota 10, SUPER recomendo.

Cama incrível do hostel Wasi Masi

Locker enorme, cabia minha mochila e muito mais.

Bjos e até Potosí!

Obs.: Como não poderia deixar de ser, já ouvi Michel Teló umas trocentas vezes por aqui. Ontem, em plena madrugada, uns gringos bêbados chegaram no quarto, pegaram o violão e começaram a cantar “Nossa, nossa, assim você me mata”, em português mesmo. Foram expulsos a gritos e pontapés do pessoal que dormia.

Anúncios

3 respostas em “Sucre: capital da Bolívia

  1. Ainda não compreendo a limpeza dessas cidades. É impressionante! Esse mondongo parece ser muito bacana. 100 vezes mais bonito e apetitoso que aquelas comidas extremamente caras e horríveis da Cantuta (Kantuta?). Michel Teló from hell. Podia ser pior. Podia ser Latino!

    • Sim, as comidas aqui não são tão horríveis quanto parece na Kantuta. E as cidades só são limpas nos centros históricos. Mais perto dos bairros periféricos é só lixo espalhado pela rua. Isso explica muito sobre o Bom Retiro, por exemplo.

  2. Pingback: A Guide To Bolivia’s Most Mouthwatering Foods - Bolivia

Gostou? Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s